Sexta-feira, 14 de Abril de 2006

3º mundo

 

porque será que as crianças deixam de ser crianças? é uma questão em aberto em portugal, um lugar onde não é proibido maltratar as crianças. será que é um fenómeno característico do subdesenvolvimento?
devia ser possível inventar a forma de uma criança deixar de ser criança sem abandonar o mundo das crianças, para que se pudesse defender dos adultos, que não fizesse somente perguntas. mas isso não era ser criança, infelizmente isso não é possível.
um adulto é uma espécie de criança ressabiada que não soube envelhecer, que se precipitou, que fugiu, que ouviu falar que se morria, que se esqueceu de perguntar sempre e de habitar o mundo com curiosidade, pela primeira vez.
o adulto pensava que já tinha feito todas as perguntas possíveis, que já podia responder, dar conselhos, indicar o caminho, fazer uma religião à volta dele e bater nas crianças, se elas se portassem mal, maltratá-las. os adultos estão malucos. é por isso que ele, a criança que abandonou o mundo das crianças, quer voltar ao mundo das crianças. maltratar as crianças para ganhar o dia, com dinheiro no horizonte. uma espécie de jogo do monopólio das crianças com dinheiro autêntico.
o adulto é aquele que só pensa no dia que recebe o salário, o prémio do jogo, o nobel. que só pensa no seu futuro e no sistema que o gere, ao ponto de trabalhar de uma forma absurda para que ele se perpetue, longe daquilo que realmente é o ser (criança). faz isso ao ponto de se transformar num imbecil todos os dias. e no auge da imbecilidade maltrata as crianças e é desculpado por uma lei e um tribunal também imbecis.
um adulto não pode voltar a ser criança. não nasce todos os dias. salvo os esquizofrénicos. quando chega a casa ou ao trabalho e a troco de dinheiro pode maltratar uma criança? e ser desculpado? porque neste país as crianças são bodes expiatórios dos delírios materialistas dos adultos, desculpam-se os adultos como se estivessem a nascer todos os dias.
a vida deve ser honesta, depende dos problemas por resolver entre os adultos. os adultos são responsáveis, podem ser julgados, podem defender-se. já não são crianças, nunca mais irão ser. a brutalidade dos adultos deve ser resolvida entre si, as crianças não podem ser o palco do espectáculo brutal que é ser adulto e velho.

é por isso que todo o discurso acerca das crianças resulta um pouco absurdo, e ainda bem. Nas asas do desejo, o discurso do bibliotecário, em berlim , ao pé do muro e na biblioteca, dá que pensar. 

fernando


publicado por ... às 16:48
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 24 de Abril de 2006 às 03:03
fixe


De Mente Despenteada a 5 de Janeiro de 2007 às 14:24
Olá, Fernando... Há quanto tempo! Passei agora por aqui e dei de caras com este texto, que embora já cá esteja ´há algum tempo não perdeu actualidade, ao contrário das crianças que cedo se perdem das crianças que foram. Sublime esta reflexão. O velho Fernando, em toda a sua força. Continua! E obrigada.


De jueguitos a 14 de Julho de 2008 às 01:59
.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. o que é a europa?

. o padrinho e o apito dour...

. cavaco e as letras

. libertar trabalhadores

. 3º mundo

. a 40 graus de latitude no...

. a grande e pequena europa

. 1-1-2006

. discurso de estado

. Os mortos que regressam.....

.arquivos

. Julho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds