Domingo, 1 de Janeiro de 2006

1-1-2006

Não deixes que o ano findo se despeça de ti
como uma bomba lançada pelos os estados unidos da américa,
ou que o novo ano que agora começa seja mais um contrato precário com mais uma multinacional americana.
porque tu já sabes o contrário daquele poema que tu gostas,
A américa não tem ideais.
é um território sem ilusões nem utopias.
lá a verdade não é um decreto
nem a vida é verdadeira.
Porque não há mãos dadas ou confiança entre os homens.
Todos os dias da semana são de desconfiança
e muito mais cinzentos que as terças-feiras mais cinzentas que citavas.
Não há o direito de converter esses dias em manhãs de domingo.
Não existem manhãs nem domingos.
Não poderias sequer vê-las caso existissem
porque as tuas portas e janelas permanecem o dia inteiro fechadas.
Não há esperança
nem existe o reinado da justiça e da claridade.
Lá o mundo será sempre feito de mentira e redundância.
E por isso não serás livre nem construirás nada a partir dessa redundância e dessa mentira.
Os americanos continuarão a mandar no mundo.
Não pactues porque terás apenas à tua volta uma couraça de silêncio
e um cálculo matemático frio
que não te deixarão ouvir as palavras.
Elas morrerão todas depois de saírem dos dicionários
e afundar-se-ão juntamente com as beatas (de cigarro) nos interstícios da calçada da rua
calculada.
Neste pântano de mentira e de engano
tu não te sentarás à mesa com o teu olhar limpo
porque a verdade não será servida
nem antes nem depois da sobremesa.
Não será o jantar nem o café que tu tomas.
Não haverá comida nem café com o mesmo gosto da aurora.
Haverá saudade e tristeza em vez de alegria para sempre.
Essa será a tua bandeira generosa.
A tua maior dor.
O teu suor não trará pão para o Homem
porque lá o homem é um animal que se vinga no outro homem.
Não esqueças que só lá o ódio será belo no teu mundo.
Serás obrigado a proibires-te de brincar,
inclusive com os tais rinocerontes que temes estarem já extintos.
Caminharás pelas tardes sem flores para empunhar.
e internar-te-ás numa noite qualquer onde o medo te assaltará.
E só com dinheiro poderás sair da noite
para comprar o sol das manhãs que ainda não vieram
ou para comprar o direito de cantar na festa da chegada dos dias
onde moram as manhãs.


fernando

publicado por ... às 20:12
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

 

.Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. o que é a europa?

. o padrinho e o apito dour...

. cavaco e as letras

. libertar trabalhadores

. 3º mundo

. a 40 graus de latitude no...

. a grande e pequena europa

. 1-1-2006

. discurso de estado

. Os mortos que regressam.....

.arquivos

. Julho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds